Detalhe da notícia
|
Francisco Morato terá nova estação da CPTM na linha 7-Rubi
17/11/2017
Obras devem começar ainda este ano e serão concluídas em até 36 meses; cidade também recebeu repasse para melhorias na infraestrutura

A cidade de Francisco Morato vai ganhar uma nova estação da CPTM. Foi assinado nesta quinta-feira (16) o contrato para a construção da futura estação da Linha 7-Rubi no município. O consórcio Spavias-Telar, vencedor da licitação e que também será responsável pela operacionalização da linha, promete iniciar as obras ainda este ano e concluí-las em até 36 meses.

“Será uma das maiores e mais bonitas estações da linha 7-Rubi”, disse o governador Geraldo Alckmin sobre o investimento de R$ 114 milhões feitos na obra. “Liberamos também R$ 1,3 milhão para a prefeitura para as escadas rolantes do terminal de ônibus, que é integrado com a estação. Além de recursos para corredores de ônibus e infraestrutura para combate a enchente. Essas obras importantes vão beneficiar municípios como Francisco Morato”, completou Alckmin.

Os prazos para a construção da nova estação começam a valer a partir da assinatura da ordem de serviço, mais um ano de operação assistida. A nova estação terá 6 mil m² de área construída e possui três plataformas de embarque e desembarque, cinco escadas rolantes, três elevadores e todos os itens de acessibilidade para pessoas com deficiência e dificuldade de mobilidade, idosos e gestantes.

As obras incluem a implantação de dois acessos. Um deles fará a ligação da estação ao terminal rodoviário da prefeitura e o outro chegará até a Rua Gerônimo Garcia.

A linha 7-Rubi é a mais extensa da CPTM. O percurso de 60,5 quilômetros vai da estação Luz até o município de Jundiaí. O maior trecho, de 39 quilômetros, liga a Luz a Francisco Morato. Por ele, circulam cerca de 39 mil passageiros todos os dias. O outro percurso de 21,5 quilômetros, de Francisco Morato à Jundiaí, transporta uma média diária de 30 mil passageiros.

A linha 7-Rubi recebeu recentemente 16 novas composições, como parte de um processo de padronização. Os novos trens contam com passagem livre entre os carros, monitoramento de câmeras de vídeo e acessibilidade, e soluções tecnológicas como o reconhecimento por biometria do maquinista.